Internet, Web e Tecnologia


Postei segunda-feira (dia 2/Junho) no Meio Bit um artigo sobre a guerra dos microblogs e o novo Plurk (veja a interface abaixo):

Plurk

Pra quem ainda não conhece, leia aqui o artigo completo para saber como funciona e entender por que o Plurk caiu no gosto de muitos microbloggers esta semana (não faz sentido eu postar um outro artigo aqui falando as mesmas coisas).

E quem quiser se cadastrar e seguir meus updates, vá neste link.

[3] Comentários 

A partir de hoje, o Flickr passa a hospedar não somente as habituais fotos, mas também vídeos. O anúncio foi postado hoje no blog oficial, em português aqui.

Entendendo o Flickr Videos:

- Somente usuários com conta Pro podem subir vídeos, mas visualizá-los é aberto a todos os usuários e visitantes.

- Existe uma restrição de 90 segundos ou 150Mb por vídeo. Tem gente que não gostou disso, eu particularmente achei bem interessante. Flickr não é YouTube, a idéia é (nas próprias palavras deles) “vídeos como uma espécie de “imagem longa”, em outras palavras, pequenos registros de nossas vidas que gostaríamos de compartilhar com outras pessoas’. Eu gostei do conceito. Não sei até que ponto esta é a idéia mesmo ou se é apenas uma forma de manter este estágio inicial sob controle para não sobrecarregar os servidores. De qualquer forma, este tipo de limitação faz com que as pessoas sejam criativas, é como aprender a ser suscinto no Twitter. Existem também restrições com relação ao tipo de conteúdo, vídeos só podem ter conteúdo seguro e moderado (e não restrito).

- Os grupos agora têm a opção de aceitar ou não vídeos (“fotos, vídeos ou fotos+vídeos”). Então, se você é administrador de um grupo e não quer que ele receba vídeos, lembre-se de alterar esta configuração.

- Os vídeos podem ser vistos no photostream (em “play” manual) e nas suas respectivas páginas (em “play” automático), aparecem em resultados de busca e entram no photostream de acordo com a ordem do upload (assim como as fotos) e podem ser ampliados em tela cheia e colocados em blogs e outros tipos de site através do código fornecido na página do vídeo (procure acima do vídeo por </>EMBED), da mesma forma como outros serviços de hospedagem de vídeo já fazem.

- A qualidade dos vídeos que vi até agora é excelente, o player é simples, leve e rápido. Veja abaixo (este foi o primeiro que assisti, hilário!):

De uma forma geral, eu adorei a novidade. Achei que os vídeos não são intrusivos, não mudam de forma significativa a propsta do site e esta nova funcionalidade abre uma série de possibilidades que nem temos ainda como prever. A criatividade na “interweb” sempre me surpreende, portanto, vamos ver o que as pessoas pelo mundo afora vão criar a partir disso.

Eu, que não sou “videologger” (ainda) e não tenho nenhum vídeo no YouTube ou similares, já enxerguei várias utilidades do Flickr video para mim, pessoalmente. Incluindo criar compilações das fotos da semana do Project 365 para poder publicar aqui no blog. Por enquanto o Flickr não oferece nenhum editor online de vídeos (o que seria útil neste caso, para criar um vídeo a partir de fotos no photostream), mas quem sabe no futuro eles criam esta possibilidade.

E você, o que achou?

[6] Comentários 

Inspirada pelo site Computer Stupidities (que traz uma compilação de relatos engraçadíssimos, por sinal), resolvi postar sobre uma história verídica que aconteceu comigo. Sempre que este assunto surge eu conto esta história, mas nunca havia me passado pela cabeça relatar aqui no blog. Aconteceu em 1999 quando eu trabalhava numa pequena agência de desenvolvimento web que, entre outras coisas, vendia pacotes de comércio eletrônico (na época tínhamos várias lojas no shopping do UOL). Os preços dos pacotes variavam de acordo com as funcionalidades, então sempre que um cliente novo ligava com dúvidas, explicávamos as diferenças.

Belo dia liga o dono de uma empresa de cosméticos. Depois de uns bons 5 minutos conversando com ele, explicando sobre cada pacote e tirando dúvidas, seguiu-se o diálogo abaixo:

(ele): Ok. Mas e a logística, como fica?
(eu): Logística? Como assim?
(ele): A entrega. Como eu entrego os produtos comprados pelo site? Digamos que alguém entre na loja e compre um shampoo. Como é feita a entrega?
(eu): Bem, nós não trabalhamos com logística. Nosso serviço é desenvolver, configurar e manter sua loja online e uma vez que você receba o pedido através do sistema, terá que cuidar da entrega usando o método da sua preferência.
(ele): Mas aí fica complicado, hem? Eu não entendo, se vocês montam a loja, como é que não cuidam da logística?
(eu): (??? baita cara de interrogação…) É como eu lhe expliquei, nós desenvolvemos, configuramos e fazemos a manutenção da loja online. Mas a entrega tem que ser feita por correio ou transportadora, ou então dependendo do porte da sua empresa e do volume de vendas, uma outra alternativa é vocês terceirizarem toda esta parte para uma empresa de logística.
(ele): Putz, mas aí vai ficar bem complicado… Será que não dá pra vocês configurarem a loja para as entregas serem feitas por email?
(eu): Por email??? Peraí, o que você está dizendo é que quer entregar um shampoo por email? (a esta altura eu comecei a achar que poderia ter entendido errado, mas…)
(ele): Isso, exatamente! (num tom levemente “superior”, como se eu “finalmente” tivesse entendido o que ele estava tentando dizer)
(eu): Não dá pra fazer isso. Não é possível.
(ele): Como assim não é possível? Se vocês não fazem, tenho que procurar uma outra agência que faça.
(eu): Então, veja bem, você não vai encontrar uma agência que faça isso. O que estou tentando lhe explicar é que não é que “nós” não fazemos, mas que é fisicamente impossível fazer isso. Um shampoo é um objeto físico, um email é uma mensagem eletrônica, não tem como enviar um objeto físico através de uma mensagem eletrônica.
(neste ponto todo mundo à minha volta me olhava com cara de espanto, risadinhas pipocando aqui e ali e eu tendo que manter a compostura)…
(ele): Ah, sei… Bem, neste caso então não tenho interesse nos serviços de vocês. Se eu não posso enviar meus produtos por email, não tem por quê eu ter uma loja online.

Acho que dispensa comentários… A não ser um: o sujeito era o DONO da empresa. Se não me falha a memória, era uma empresa de médio porte, mas a esta altura do campeonato eu não lembro mais qual era o nome da empresa. De qualquer forma, ele era o DONO e é isso que torna esta história lamentável.

Sei que parece mentira ou até mesmo que foi uma pegadinha, mas com base no comportamento dele durante toda a ligação, tom de voz e tipo de dúvidas (as anteriores a esta), me pareceu bem legítimo. E sabemos que este tipo de coisa acontece com uma certa freqüência. Estamos em 2007 e ainda há pessoas que mal sabem usar email.

Ainda ontem apaguei um comentário de uma pessoa que deixou o endereço residencial completo dela (com cep, inclusive), pedindo para que eu lhe enviasse receitas de bolo diet (??) pelo correio! (Sem sequer entender que estava fazendo um comentário que poderia aparecer pra quem quisesse ver.) Uma outra pessoa que não conseguia trocar a foto do perfil no Orkut deixou (pasmem!) o email e a senha em um comentário pedindo para eu ajudá-la (não testei, obviamente!). Não sei o que é pior: se é o fato de a pessoa me passar dados confidenciais de acesso à conta dela, se é não perceber que ao postar um comentário qualquer pessoa poderá ter acesso à conta dela ou se é sequer se dar conta de que o que está fazendo é postar um comentário em um blog e não mandar uma mensagem privada. Se isso acontece hoje, imagina nos idos de 1999.

Bem, esta é minha história no estilo “Computer Stupidities“. :-)

[6] Comentários 

Eu me mantive distante da febre do Twitter até agora. Criei uma conta no Jaikunomezinho feio!), onde postei algumas vezes e configurei meus feeds para atualizar tudo automaticamente – algo que considero uma grande vantagem do Jaiku sobre o Twitter, além, evidentemente, da opção de comentários inexistente no Twitter. Verdade seja dita, o Jaiku é bem melhor – e agora, depois de comprado pelo Google, o potencial fica ainda maior. No entanto, está todo mundo no Twitter, então relutantemente me rendi aos seus encantos e resolvi experimentar. Duvidando piamente que iria postar alguma coisa com alguma regularidade. Ledo engano: por que estas coisas têm um potencial viciante tão grande? Twitter é um aplicativo simples, muito simples. Funções limitadíssimas. Não permite adição de feeds. Eu nem sequer consegui usar Twitter com celular até agora (não consigo enviar o código de confirmação). No entanto, tenho postado regularmente nos últimos dias e acompanhado as conversas. Talvez passe. Talvez seja só uma fase, como muitas outras que vêm e vão. Mas, enquanto ela durar, você pode me acompanhar aqui e também na barra lateral aqui do blog onde aparecem agora as 5 últimas atualizações.

[8] Comentários 

Que o Skype foi e continua sendo uma revolução em VoIP (e na telefonia, de uma forma geral) todo mundo sabe. Qualquer pessoa utilizando Skype no dia-a-dia acaba economizando bastante em conta de telefone, mesmo utilizando o SkypeOut (comprando créditos para pagar por ligações), pois as tarifas são muito competitivas. Nas ligações internacionais as diferenças são brutais, ligando do Brasil para os Estados Unidos, por exemplo, paga-se US$ 0,021 o minuto. As versões mais recentes do Skype trouxeram uma infinidade de funcionalidades novas e interessantes. Isso sem falar nos outros serviços, como o Skype Pro (lançado recentemente), os Skypecasts, o SkypeIn, etc. Quem se dá ao trabalho de explorar todas as possibilidades do Skype se apaixona e descobre uma infinidade de usos para o programa e para os serviços oferecidos.

Mas, apesar de tudo isso, como já diz o ditado, nada é bom demais que não possa ser melhorado e não demorou muito até que alguém sentisse a necessidade de gravar ligações através do Skype. As necessidades são diversas: gravar um podcast, uma entrevista por telefone, um Skypecast, uma conversa em que muitos detalhes sobre algo são discutidos
e a gravação serve depois para referência, garantia de acordos verbais (desde que ambas as partes estejam cientes e de acordo com a gravação da conversa, pois vale lembrar que gravar uma ligação telefônica sem a autorização e o consentimento da outra parte se não me engano é ilegal), etc…

No início as soluções encontradas eram bem ao estilo “jeitinho brasileiro”, gambiarras. Conforme a coisa foi evoluindo, começaram a surgir alguns programinhas com esta finalidade, alguns com funcionamento externo ao Skype, outros mais com jeito de plugin. Com a introdução dos Skype Extras, plugins específicos como o Pamela (review abaixo) ficaram acessíveis através do próprio programa inclusive.

Como eu imagino que muita gente possa estar procurando uma solução para gravação de ligações/conversas no Skype e eu já andei fazendo muitas pesquisas, resolvi compilar alguns dos programas/plugins que encontrei. Eu não testei todos, então teste por sua própria conta e risco. Já aviso que a maioria dos programas é pago, mas existem versões gratuitas de alguns deles (com algumas limitações), versões trial e existe também uma opção totalmente gratuita. Seguem as dicas:

MX Skype Recorder

Até alguns meses atrás existia uma versão gratuita que gravava apenas ligações do Skype por tempo indeterminado. Hoje em dia a versão gratuita não está mais disponível no site, você pode baixar o programa e testar gratuitamente por 30 dias, mas o limite de tempo de gravação é de 5 minutos. As versões disponíveis são Standard e Professional, custando US$ 14,95 e US$ 24,95, respectivamente. Grava também ligações feitas através de outros programas que utilizam VoIP, como o Google Talk e o Yahoo Messenger. Não sei qual é o formato utilizado durante a gravação, mas quando a conversa termina, o programa automaticamente faz a conversão para MP3 (às vezes é preciso reiniciar o MX Skype Recorder e o Skype para a compressão ser finalizada, mas nem sempre isso acontece) ou WAV. Você pode optar por iniciar a gravação manualmente ou configurar o programa para gravar automaticamente toda e qualquer ligação feita ou recebida. Funciona em modo visível ou em “spy mode” e permite a utilização de uma senha para uso do programa, além de oferecer possibilidade de gravação em um ou dois canais. Eu fiz o download do MX Recorder quando era ainda gratuito e sem limitações, então é este que utilizo atualmente. Funciona perfeitamente, então este eu posso recomendar por experiência pessoal. A qualidade da gravação é excelente, o programa é leve e simples de usar. Aliás, esta é uma opção para quem busca simplicidade, pois a única coisa que o programa faz é realmente gravar as conversas e nada mais. Até mesmo a tela de opções é bem simples, com poucas configurações. Tem um vídeo no YouTube mostrando um pouco da versão paga do programa, que é pouca coisa diferente da que eu uso.

Pamela

Acessível através dos Extras no próprio Skype, o Pamela tem várias versões disponíveis, sendo uma delas gratuita (e evidentemente com as suas limitações). Além de gravar ligações, este plugin traz também uma série de outras funcionalidades opcionais que você habilita se quiser, tais como secretária eletrônica, mensagens automáticas de voz e de texto, tocar sons e/ou músicas para a outra pessoa durante a conversa, entre outras. Eu li que a versão Professional possibilita inclusive que você faça gravações de voz mesmo não estando com o Skype conectado e, fazendo a configuração correta, o próprio programa se encarrega de postar o áudio no seu blog. Eu nunca consegui acessar o site deles para pegar todas as informações, então não tenho como detalhar as limitações e/ou funcionalidades da versão gratuita (além das que já citei acima com base em material que encontrei em outros blogs e no site do Skype), muito embora tenha conseguido instalar o plugin através dos Extras no Skype. Mas em teoria a tabela comparativa das opções está neste link. Na parte de Extras do site do Skype, podem ser encontradas nada menos do que 5 versões: Freeware Basic Version, MP3 Call Recorder, Standard Version, Business Version, e Professional Version, sendo que nestes links também não fica clara a diferença entre elas, mas neste link tem um pouco mais de informação, incluindo uma lista de funcionalidades. Eu instalei (sabe lá Deus quais das versões) mas ainda não testei o suficiente para dizer se funciona direitinho ou não. Só tentei tocar músicas durante uma ligação e a pessoa do outro lado não conseguiu ouvir direito. Além disso, para tocar sons e músicas durante uma conversa, você tem que importar pastas ou arquivos para dentro do Pamela. A importação de pastas funcionou direitinho, mas a importação de arquivos individuais derrubou o programa nas minhas 3 tentativas. Apesar disso, eu ouço falar muito bem do Pamela, aparentemente tem muita gente usando sem problema nenhum, mas o fato de eu nunca conseguir acessar o site e de a minha breve experiência até o presente momento com este plugin não ter sido lá muito satisfatória (isso sem falar na dificuldade de identificar as funcionalidades de cada versão), me deixa pessoalmente um pouco com o pé atrás com este plugin. Mas, é o mais polular, tem um pacote de funções bem bacanas e a versão MP3 Call Recorder aparece no site como certificada pelo Skype (embora o selo não apareça nas outras versões).

KishKish Sam

Este é um programa completo e completamente gratuito. Grava qualquer tipo de ligação em 2 canais (stereo) e ainda de quebra faz uma gracinha incluindo um “detector de mentiras” – que não necessariamente deva ser levado a sério, mas eu sinceramente não testei. ;-) Grava no formato MP3, tem secretária eletrônica flexível com várias funções, permite o envio de recados de voz para o seu email, tem funções de auto-resposta, opção de auto rejeição de chamadas em espera, grava as informações completas de cada gravação, tais como quem ligou, horário, duração da chamada, etc. A única funcionalidade que falta neste programa na minha opinião é a habilidade de tocar sons e músicas durante uma ligação, mas o pacote de funcionalidades dele é bastante atrativo, especialmente considerando que é totalmente gratuito. A interface é bem feitinha, é “Skype Certified” e embora eu ainda não tenha testado pessoalmente (ainda, pois pretendo testar em breve), me parece uma excelente opção. Só não encontrei no site a informação sobre limitações no tempo de gravação, mas acredito que não existam. Tem também um vídeo no YouTube sobre este programa mostrando algumas das funcionalidades e configurações possíveis, algumas coisinhas que não detalhei aqui. Vale a pena conferir.

PowerGramo Skype Recorder

Quando instalado, as funcionalidades são integradas à interface do Skype. Não é exatamente um plugin, mas também não é um programa que funciona completamente independente do Skype, como é o caso do MX Skype Recorder. A versão gratuita é até bem completa, evidentemente tem algumas limitações, mas se você quiser gravar uma conversa de Skype para Skype, não há limitação de tempo de gravação na versão free, o que torna este programa bem interessante para quem quer gravar entrevistas ou fazer podcasts com mais de um participante, ambos/todos utilizando Skype. As principais funcionalidades da versão da versão paga, que custa US$ 24,95 estão presentes com algumas limitações na versão gratuita. Se você estiver disposto a pagar este valor para registrar o produto, tem acesso a todas as funções, tais como: gravação de qualquer tipo de ligação (SkypeIn, SkypeOut, Skypecasts, conferências e Skype para Skype), eliminação de ruídos, gravações acessíveis pelo próprio Skype (podendo ser facilmente exportadas para arquivos no formato MP3), anotações ao longo da conversa, secretária eletrônica flexível através de esquemas configuráveis (limitados a 3 na versão gratuita), tocar áudio para ser ouvido pelo(s) outro(s) intelocutor(es), encriptação das conversas e proteção por senha (não disponível na versão gratuita) e muitas outras. Confira a tabela comparativa das versões aqui para ter uma idéia melhor. Neste link tem alguns screenshots, faça o download aqui e este link é para comprar o programa. Neste site tem um link para um outro site oferecendo um produto ainda mais completo, que grava não só conversas de Skype mas de qualquer outro programa de VoIP, aparentemente com as mesmas funcionalidades do PowerGramo, mais algumas que o PowerGramo não tem, incluindo um PC recorder de uso geral para podcasts, que funciona também como player. Não sei se o fabricante é o mesmo, mas tudo indica que sim, embora os sites sejam separados. Não testei nenhum dos dois, mas pretendo testar. Esta também me parece uma opção interessante.

CallBurner

É também um programa “standalone” pago (com um preço mais salgadinho de US$ 49,95) e com versão trial de 14 dias. Grava diretamente no formato MP3, você escolhe se quer que todas as ligações sejam gravadas automaticamente ou não, tem a opção de gravação no formato WAV, de gravar cada lado da conversa em um arquivo separado e converte voicemails do Skype para MP3 ou WAV.

Hot Recorder

A versão gratuita grava apenas 2 minutos de conversa. A versão paga (Premium), que custa US$ 14,95, não limita o tempo de gravação. Este programa também oferece secretária eletrônica (não só para o Skype, mas também para o Google Talk), conversão de formatos de áudio, emotionsounds e aparentemente funciona com vários programas de VoIP e não somente com o Skype. Este eu não testei.

i-Sound WMA MP3 Recorder

Este é um programa totalmente independente do Skype, inclusive não foi feito com o propósito de gravar ligações de VoIP especificamente, mas sim de gravar todo e qualquer áudio de fonte interna (do seu computador) ou externa. Eu tenho este programa e uso para outras finalidades, pois ele permite mixagem simultânea da entrada do microfone com outros sons ou músicas, gravação de sons em streaming em vários formatos – e em horários pré-definidos, inclusive – conversão de áudio analógico para digital (de fitas cassete e discos de vinil, por exemplo) e tudo isso em vários formatos: MP3, OGG, WMA, WAV, APE. Tem também um player embutido. É um verdadeiro studio de gravação e é um excelente programa. Não é gratuito, mas tem versão trial que roda completa por um período. Como eu disse, não é um programa feito especificamente para gravar conversas de VoIP, mas serve perfeitamente a este propósito, com a vantagem da qualidade de gravação ser excepcional, tornando este programa uma boa opção para quem precisa de um produto final de qualidade superior. Se você tiver problemas para gravar conversas do Skype, basta desmarcar a opção de ajuste automático de áudio nas configurações do Skype e também verificar se nas propriedades de áudio do Windows o seu microfone não está com a opção “sem áudio” marcada. O preço do i-Sound MP3 WMA Recorder Pro é US$ 29,95 e você pode fazer o download da versão trial gratuitamente neste link.

Para quem usa MAC, eu sei deste programa chamado Call Recorder. Deve haver outros, mas eu não pesquisei.

Bem, é isso pessoal. Se alguém souber de mais algum programa para indicar deixe nos comentários, ok? Bom domingo! :-)

11/06/2007 (Edit): Recebi hoje um email do Evoca (quem não conhece o serviço, leia aqui sobre ele) informando que através de uma parceria com o Skype, a partir de agora eles estão oferecendo serviço de gravação de chamadas pelo site. Funciona assim: você se cadastra no Evoca.com, adiciona o usuário deles à sua lista de contatos do Skype e cadastra seu nome de usuário de Skype na sua conta do Evoca.com. Quando quiser gravar uma conversa, é só adicionar o usuário deles à ligação. Da primeira vez, se você ainda não estiver cadastrado no site, você recebe um aviso pra fazer seu cadastro. Durante a chamada você também recebe mensagens de texto automáticas com orientações. Você pode gravar até 15 minutos de graça pelo sistema deles, para aumentar este tempo tem que assinar uma conta Pro. Depois que a conversa é gravada, basta excluir o usuário deles da ligação ou simplesmente desligar. Você então receberá uma mensagem de texto pelo Skype com um link para fazer o download do arquivo (em MP3) e tem até mesmo a opção de receber uma transcrição da conversa (mas este serviço é pago, obviamente – você tem a opção de requisitar ou não a transcrição após a gravação da conversa). O arquivo também fica salvo no site deles dentro da sua conta, podendo ser acessado por outras pessoas (como a pessoa que estava falando com você) ou então guardado como arquivo privado – de acordo com a sua preferência. O status padrão do arquivo é “privado”, ou seja, só você pode baixar ou ouvir, mas você pode alterar para público ou então você pode enviar o link por email para pessoas específicas terem acesso. Como o site oferece um player, pode-se ouvir a gravação pelo próprio site sem necessidade de baixar o arquivo. Achei esta uma boa opção nos seguintes casos:

  1. Pra quem quer gravar uma ou outra conversa só e não está disposto a comprar um programa para esta finalidade, já que vai usar muito pouco.
  2. Pra quem não quer instalar um programa no computador e prefere usar um serviço remoto, economizando espaço em disco.

Pra quem quer gravar conversas o tempo todo esta não é a melhor opção, pois pelo que eu entendi, depois de usar os 15 minutos a que cada conta/usuário tem direito, você tem que pagar se quiser continuar gravando ou se quiser gravar outras conversas. Em outras palavras, parece que estes 15 minutos são totais (ou seja, não zeram uma vez por mês por exemplo, são 15 minutos por conta e ponto final). A conta Pro custa US$ 15,00 por trimestre e dá direito a 180 minutos de gravação e você pode comprar mais pacotes de 180 minutos se quiser. Mais informações aqui.

[5] Comentários 

Alguém tem algum problema com velocidade ao acessar o site Feedburner? Toda vez que eu entro lá para fazer alguma configuração nos meus feeds ou usar qualquer outro serviço, além do site propriamente dito ser extremamente lento, meu computador também fica lento. Ao ponto de eu deliberadamente evitar acessar o site e fazê-lo somente quando não tem outro jeito. (A velocidade para acessar os feeds é normal em todos os agregadores que já testei.) Alguém mais tem este problema com o site?

[4] Comentários 

Você já ouviu falar desta empresa chamada Moo? Eles fazem uns mini-cartões (“minicards”), de alta qualidade, que são uma graça! Um tempinho atrás eles fizeram uma promoção em parceria com o Flickr e deram 10.000 sets de 10 minicards cada para usuários Flickr Pro – o frete, até mesmo internacional, saía na faixa. Tudo de graça. Foi um sucesso. Cada usuário podia criar 10 minicards diferentes usando suas fotos do Flickr e personalizar o verso do cartão com seus dados – como email, telefone, blog, etc. Eu perdi esta promoção e fiquei babando de vontade de ter os tais minicards.

Mas para a alegria da galera, hoje está no ar mais uma promoção, desta vez com o Skype. Novamente, você pode criar 10 minicards, um diferente do outro (se quiser) DE GRAÇA (o frete também é gratuito para qualquer lugar do mundo). Desta vez não dá para usar as fotos do Flickr, infelizmente, mas você pode colocar o texto que quiser na frente, incluir um smilie e colocar seus dados – ou qualquer outra coisa – no verso. Quem chegar primeiro leva, são 10.000 sets. Eu fui rápida desta vez e já encomendei os meus. Se você quiser os seus, corra (voe!) e monte seus minicards antes que acabem. Você vai precisar do código da promoção para receber o pacotinho gratuitamente, o código é “freebie“. Vá neste link, do lado direito coloque o código da promoção e clique em “Claim your 10 pack” para começar. Monte os cartões e quando chegar na parte do pagamento o sistema reconhece o código e você não paga nada – pelo menos enquanto durar a promoção! ;-)

Achei esta estratégia deles muito interessante. A primeira promoção que fizeram com o Flickr foi um sucesso absurdo! Depois de receberem seus minicards os usuários postaram fotos deles no Flickr, as pessoas compartilharam idéias sobre o que colocar nos cartõezinhos, foi um hype danado! Com isso a empresa ficou conhecida rapidamente e quem não conseguiu pegar a promoção ficou encantado e doido para ter minicards também, com aquela sensação de “fiquei de fora da festa!”. Depois disso, acredito que eles tenham começado a vender minicards aos baldes – e a julgar pela quantidade de fotos postadas no Flickr, acho que estão vendendo mesmo! Uma caixinha com 100 minicards custa US$ 19,99 e você pode personalizar com suas fotos do Flickr, textos e seus dados. Lembrando que você pode fazer todos iguais ou TODOS diferentes um do outro – isso mesmo, você pode usar uma imagem diferente em cada cartão, se quiser. Eu vou mandar fazer os meus assim que conseguir tempo para personalizar cada um. Mas os meus 10 desta promoção eu já garanti. :-)

[13] Comentários 

Eu uso o Bloglines há muito tempo. Tentei usar outros agregadores, porque algo que não consigo identificar claramente me incomoda no Bloglines. Acho que são duas coisas na verdade: 1) a interface, que não é lá estas coisas e 2) o fato de que os ítens de um feed são automaticamente marcados como lidos quando acessamos o feed (isso é chato quando há muitos ítens não lidos e não temos tempo para ler todos. Aí somos obrigados a marcar como não lidos um por um dos ítens que não tivemos tempo de ler). Eu testei uma série de outros agregadores. Nenhum deles me satisfez e eu fui ficando com o Bloglines – apesar de não considerá-lo o ideal, entre todos os que testei ainda era o melhorzinho.

Sim, eu testei o Google Reader logo quando foi lançado. Não gostei. Mas hoje li que eles haviam feito muitas mudanças e resolvi testá-lo novamente. Só posso dizer que, a partir de hoje, estou oficialmente mudando do Bloglines para o Google Reader. As mudanças foram muitas, não vou detalhar todas aqui, mas posso dizer que o serviço evoluiu consideravelmente. O único problema que encontrei até agora foi não encontrar uma forma de renomear as pastas ou tags dentro das quais ficam os feeds. Sei que ainda está em “beta” (o Google prefere chamar de “labs”) e que posso esperar alguns bugs no meio do caminho, mas o que vi até agora foi suficiente para mudar de serviço. Se você ainda não testou a versão nova e está insatisfeito com seu agregador de feeds, sugiro que teste o Google Reader. Alguém mais já testou? Opiniões?

[8] Comentários 

Next Page »